Agro em Pauta Agronegócio Destaque Geral Mundo Notícias Paraná

Cultura do algodão aliado à biotecnologia

A Corteva Agriscience e a Tropical Melhoramento & Genética (TMG) apresentaram ao mercado de algodão a tecnologia WideStrike®3, que pretende oferecer proteção superior no controle as principais lagartas que atacam a cultura de algodão e causam prejuízos ao setor. O Brasil tem uma das principais culturas de algodão do mundo, sendo o segundo maior exportado mundial de fibra. “Com esta parceria, a Corteva e a TMG unem suas expertises em tecnologia, inovação e genética para contribuir com o crescimento sustentável da cultura do algodão. Os avanços no controle de pragas e em cultivares mais produtivas têm sido decisivos para a conquista dos mercados nacional e internacional do algodão e WideStrike®3 vem ao encontro desta necessidade”, afirma Lucas Silveira, líder de Portfólio de Algodão da Corteva.

A biotecnologia WideStrike®3 contém as proteínas Cry1F, Cry1Ac e Vip3A das bactérias Bacillus thuringiensis, também conhecidas como Bt. As proteínas atuam em todos os tecidos da planta e por todo o ciclo da cultura, oferecendo maior poder de proteção e longevidade para o algodão e, consequentemente, maior produtividade e rentabilidade para os cotonicultores. Atuando no controle de uma grande variedade de lagartas importantes, entre elas: Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), Lagarta Helicoverpa (Helicoverpa armigera), Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens), Lagarta-preta (Spodoptera cosmioides), Lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens), Lagarta-das-vagens (Spodoptera eridania), Curuquerê-do-algodoeiro (Alabama argillacea) e a Lagarta-rosada-do-algodão (Pectinophora gossypiella).

Francisco Soares, diretor-presidente da TMG, destaca que o foco da empresa sempre foi e se mantém sendo desenvolver cultivares que vão além da produtividade. “A parceria com a Corteva está relacionada ao nosso DNA de inovação, para nós é muito importante nos antecipar e atender o produtor com o melhor que a tecnologia oferece e, também, melhorar a competitividade de mercado para os nossos multiplicadores de sementes”. O executivo completa que os dois lançamentos da safra 2020/21, com a tecnologia WideStrike®3, dão robustez ao portfólio da TMG, que atende tanto as exigências do mercado nacional, como do mercado de exportação da pluma. A cultivar TMG 50WS3 tem como pontos fortes a precocidade, o alto potencial produtivo, tolerância à ramulária e ótima qualidade de fibra. A TMG 91WS3 é uma cultivar de alto teto produtivo também, com destaque para sua ampla adaptabilidade, excelente arranque inicial e elevado peso de capulho. “Além de Mato Grosso e Bahia, as duas cultivares são indicadas para Goiás, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Piauí, Minas Gerais e São Paulo”, pontua Soares.

A Corteva Agriscience é uma empresa de capital aberto que oferece aos agricultores de todo o mundo o mais completo portfólio de insumos do setor, como sementes, proteção de cultivos e soluções digitais para maximizar a produtividade e a rentabilidade dos produtores. A empresa é detentora de algumas das marcas mais reconhecidas na agricultura (Pioneer®, Granular®, Brevant™ Sementes e premiados produtos de Proteção de Cultivos A Corteva Agriscience tornou-se uma empresa independente em 1º de junho de 2019. Antes dessa data, era Divisão Agrícola da holding DowDuPont.

A TMG (Tropical Melhoramento e Genética S/A) é uma empresa independente de melhoramento de soja, algodão e milho com base no Brasil, com instalações de última geração que permitem o desenvolvimento rápido de novas cultivares, adaptadas a diferentes locais do mundo. Foi a primeira empresa a lançar cultivares de soja com resistência genética à ferrugem asiática (Tecnologia Inox®) e a registrar uma cultivar de soja com resistência a todas as raças até então conhecidas de nematoide de cisto da soja.

Talvez você goste

Leia Mais