Eventos Notícias

Boas práticas agrícolas

 

Iniciativa 2,4-D promove treinamento em Cândido Mota

Por Renata Baldo

Gerar informação técnica sobre o uso correto e seguro de defensivos agrícolas. Com este propósito o grupo Iniciativa 2,4-D, criado por representantes das empresas Dow AgroSciences, Atanor e Nufarm, reuniu na noite do último dia 14 de julho, nas dependências do Buffet Roma, em Cândido Mota-SP, 87 pessoas entre produtores e técnicos em uma palestra ministrada pelo professor doutor da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Robinson Osipe.

Com apoio acadêmico da instituição de ensino representada pelo palestrante e de outras como a Universidade de Passo Fundo (UPF), e a Universidade Estadual de Maringá (UEM), a Iniciativa 2,4-D tem procurado sensibilizar e orientar os produtores quanto à importância deles utilizarem as tecnologias corretamente e, assim, garantirem a qualidade da aplicação dos defensivos agrícolas. O evento faz parte de um projeto educativo que contempla, neste ano, 15 cidades distribuídas em oito Estados brasileiros: RS, PR, SC, MT, MS, GO, MG, SP.

O grupo visa também apoiar projetos como o “Acerte o Alvo – evite a deriva na aplicação de agrotóxicos” e se apresenta como fonte de informação e esclarecimento sobre o emprego do 2,4-D. Em sua palestra, o professor Osipe procurou desmistificar o uso seguro de agroquímicos.

O palestrante alerta que o uso de um produto para controlar a mesma planta daninha por muito tempo é um erro. “Foi o que contribuiu para o surgimento da resistência a herbicidas em plantas como buva, azevem e o capim Amargoso, por exemplo. Hoje, cada vez mais, torna-se necessário o uso de herbicidas residuais, ou seja, herbicidas graminicidas aplicados em pré-emergência que auxiliam no controle das plantas daninhas”.

O professor ressalta que o 2,4-D é um mimetizador de auxinas, ou seja, possui um mecanismo de ação diferente de outros herbicidas como o glifosato, colaborando com a eficácia no controle de diferentes plantas daninhas.

PRÓ-ATIVIDADE – O palestrante comenta que além das plantas daninhas buva, amargoso, capim branco (Chloris), presentes na região, já se aproximam a trapoeraba, o masambará, o caruru e o capim-pé-de-galinha, vistos no Paraguai e no Mato Grosso. A sugestão de Osipe é que o produtor seja proativo antecipando-se ao problema antes mesmo que ele se estabeleça, ou seja, realizando rotação de herbicidas com diferentes mecanismos de ação e capinação das touceiras. Para o doutor em Agricultura, o 2,4-D é um produto importante e as alegações de que causa danos à saúde não passam de mito. “Tão cedo não aparecerão no mercado moléculas de amplo espectro como a 2,4-D, ainda que venham novos lançamentos de organismos geneticamente modificados”, finaliza.

RESULTADOS – A produtora rural em Florínea e Palmital, Maria de Lurdes Vilela, prestigiou a palestra. Ela conta ter obtido bons resultados no controle da buva e trapoeraba utilizando o 2.4-D associado ao glifosato. “Buscamos neste herbicida combater as plantas daninhas de forma viável para não ter que retroagir em relação ao plantio direito”, comenta a participante observando ainda que: “a agricultura é dinâmica e, infelizmente, a lei trabalhista não favorece o emprego de mão de obra no campo”.

Produtor de soja e milho no município de Cândido Mota-SP e Bataiporã-MS, Luiz Antônio Dias, diz que a palestra foi esclarecedora em relação ao 2,4-D, um dos primeiros herbicidas para o controle de plantas daninhas e que permanece uma ferramenta importante. “Não há previsão de nada novo neste campo para os próximos dez anos e para manter a eficiência do que temos é preciso realizar o manejo correto destes produtos”, expõe.

O engenheiro agrônomo e diretor da Fertiliza, Antônio Carlos Zunta, reforça que ao contrário do que se chegou a propagar, o 2,4-D não é volátil, nem tóxico, nem cancerígeno, pelo contrário, tem grande importância para a agricultura já que não se faz plantio direto sem ele. “Este herbicida é indispensável ao controle da buva, da corda-de-viola, e da trapoeraba, e cuidados da associação com produtos graminicidas devem ser tomados para não comprometer a sua eficiência”, observa.

O sub-gerente da filial da Agro Ferrari em Assis, Adalto Aparecido Spindola, elogia a Iniciativa 2,4-D que vem esclarecer não se tratar de um produto volátil, bem como sobre a importância da administração correta deste e outros herbicidas. “O 2,4-D veio facilitar o controle das plantas daninhas e a dosagem certa na hora exata surtirá o efeito desejado quebrando a resistência destas indesejadas plantas”, reforça.

O responsável pelo setor técnico da equipe da Canaã, engenheiro agrônomo Takeschi Menehira, comenta que, com o tempo, a natureza se incumbe de selecionar as plantas daninhas resistentes ao glifosato e por este motivo vem sendo misturado com o 2,4-D e até a um terceiro produto para uma dessecação perfeita. Segundo Takeschi, nos Estados Unidos e Argentina já existe resistência cruzada, com quatro tipos de herbicidas atuando em diferentes enzimas, e o Brasil também caminha para esta seleção natural. “A natureza gera plantas multirresistentes e nós temos que nos preparar e fazer o melhor para continuar produzindo”, conclui.

You may also like

Leia Mais