Notícias São Paulo

Pesquisa desenvolve capa de micronutrientes para revestimento de fertilizantes NPK

Pesquisadores desenvolveram uma tecnologia pioneira no País de fertilizante completo. Trata-se de uma película formada por micronutrientes, em grande concentração que recobre de forma homogênea grânulos dos macronutrientes nitrogênio, fósforo e potássio, conhecidos pela sigla NPK. Com isso, o agricultor terá um produto completo para aplicar na lavoura com nutrientes balanceados e potencial de aumentar a produtividade e reduzir aplicações de fertilizantes.

A inovação é fruto de uma década de estudos desenvolvidos no Laboratório Nacional de Nanotecnologia aplicada ao Agronegócio (LNNA) da Embrapa Instrumentação (SP), que lidera a Rede AgroNano. A pesquisa é um exemplo bem-sucedido de inovação aberta que envolveu a empresa do setor produtivo Produquímica/Compass Minerals, maior fabricante nacional de micronutrientes, para quem a formulação foi licenciada em 2017.

Revestimento resistente

Líder da Rede AgroNano, o pesquisador da Embrapa, Caue Ribeiro, diz que o material desenvolvido tem a função de recobrir a superfície do grão, que vai ser usado para levar o outro fertilizante junto. “Tinha de ser uma capa de alta aderência na superfície que não se desprendesse quando fosse aplicada. Não poderia sair”, conta. O resultado foi um produto altamente concentrado em micronutrientes que pode ser aplicado diretamente em fertilizantes NPK, sem a necessidade de aditivos.

Além de adesão eficiente, a formulação tinha que ter uma quantidade próxima ou adequada, o que corresponde à proporção de duas partes de micronutriente para cada uma de macronutriente, a fim de que a planta receba todos os elementos de que precisa de forma balanceada.

“Esse foi o maior desafio da pesquisa, colocar um nutriente em cima do outro, sem perder a adesão ao longo do tempo, que conseguisse manter a proporção correta, ser de fácil aplicação e ainda que fosse homogêneo. Juntos, desenvolvemos uma fórmula com componentes amigáveis, que não agride o meio ambiente”, lembra o pesquisador.

A complexidade da equação se deve, sobretudo, ao fato de o produtor ter de aplicar o fertilizante na lavoura em grande quantidade, dependendo do tamanho da plantação. De acordo com Ribeiro, a dosagem inicial deve ser a mesma sempre até o final da aplicação. “A pesquisa consistiu basicamente em encontrar essa formulação, o correto balanço dos componentes e fazer os ajustes”, diz.

Em busca de uma rota alternativa

Desenvolvida no âmbito da Rede AgroNano, composta por mais de 150 pesquisadores e com o apoio da Rede FertBrasil, a pesquisa teve início em 2013, a pedido da Produquímica, mas focada no desenvolvimento de uma suspensão de nanopartículas de óxido de zinco (ZnO), como rota tecnológica alternativa para recobrimento de fertilizantes comerciais.

De acordo com o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Produquímica, Ithamar Prada, a proximidade com o campo permite trazer ideias para o desenvolvimento de tecnologias voltadas às necessidades atuais. “Em um esforço conjunto de mais de três anos, a parceria entre Embrapa e a Produquímica desenvolveram um conceito moderno e eficiente de fornecimento de micronutrientes para aplicação via solo, a linha MicroAtive”, declara.

Mas para atender às exigências de mercado, a pesquisa seguiu outra direção, que culminou no desenvolvimento da formulação atual. A tecnologia chega pouco mais de um ano depois da Instrução Normativa 46 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que dispõe sobre regras para uso de fertilizantes minerais destinados à agricultura. De 22 de novembro de 2016, a instrução requer soluções referentes à homogeneidade de aplicação de micronutrientes e garantia de composição.

A coordenadora da pesquisa na Embrapa Instrumentação, Elaine Cristina Paris, explica que foram utilizados vários componentes minerais e aditivos na composição do produto.

O trabalho envolveu grupos de pesquisadores do LNNA e da unidade da Produquímica, em Suzano (SP), que já desenvolvia micronutrientes com quantidades destinadas a diferentes tipos de culturas. “Conseguimos desenvolver uma suspensão estável para os fertilizantes que a empresa já desenvolvia na forma sólida, em pó, com a qual não é possível fazer recobrimento direto”, conta Elaine.

Para Ithamar Prada, a demanda por novas formas de fornecimento de micronutrientes via solo foi motivada por alterações ocorridas no campo. Com incremento do plantio direto, a aplicação de calcário em superfície altera as condições de acidez do solo na camada superficial. Isso teria alterado também a forma de aplicação dos fertilizantes no solo. “A aplicação via sulco de semeadura mudou, na maior parte das fazendas, para uma aplicação a lanço. Isso faz com que precisemos de produtos que tenham uma melhor solubilidade e que, principalmente, promovam uma melhor distribuição espacial,” explica o diretor.

 Da redação

 Assessoria de Imprensa

 Divulgação

You may also like

Leia Mais