Agronegócio Destaque

Movimento Colmeia Viva cria diálogo entre agricultores e apicultores brasileiros

Em comemoração ao Dia Mundial da Abelha (20 de maio) e o Dia do Apicultor (22 de maio), a Revista Agrícola entrevistou representantes do Movimento Colmeia Viva, uma realização do setor de defensivos agrícolas. O porta-vozes foram Daniel Espanholeto, médico veterinário, especialista em uso correto e seguro do Colmeia Viva, e Rhaissa Michievicy, engenheira agrônoma, analista de uso correto e seguro do Colmeia Viva.

MOVIMENTO COLMEIA VIDA

O objetivo central do movimento é incentivar o diálogo entre agricultores e apicultores e tem como missão promover o uso correto de defensivos, protegendo culturas, as abelhas e o meio ambiente. O setor reconhece seu papel na construção de uma relação mais produtiva entre agricultura e apicultura, entre agricultor e apicultor. Os esforços do movimento tiveram início em 2014, quando 14 empresas do setor de defensivos uniram-se para aprofundar o entendimento da complementaridade agricultura e apicultura e também pesquisar os principais fatores que estavam causando a mortalidade de abelhas. O Colmeia Viva deu um passo estratégico com a realização do MAP – Movimento de Abelhas Participativo. Este trabalho, uma iniciativa de pesquisa com a participação das universidades Unesp e UFSCar, com três anos de duração e concluído em 2017, investigou as principais causas de mortalidade de abelhas no Estado de São Paulo. A conclusão da pesquisa trouxe à luz, como motivo central dessas ocorrências, o distanciamento então existente entre agricultores e apicultores, mesmo quando estes eram vizinhos de porteira.

Incentivar o diálogo entre agricultor e apicultor é um dos principais propósitos do Movimento Colmeia Viva. Valorizar a proteção racional dos cultivos, o serviço de polinização, a proteção das abelhas e do meio ambiente. Do MAP nasceu o Plano Nacional de Boas Práticas, em andamento desde 2018, visando a prevenção e mitigação da mortalidade de abelhas. O MAP é baseado na disseminação de boas práticas no uso de defensivos e na formalização do pasto apícola. Ações compartilhadas, comprovadamente, resultam em benefícios mútuos. O trabalho do Movimento está mostrando que a complementaridade entre agricultura e apicultura é perfeitamente possível. O Plano Nacional investiu no desenvolvimento de ferramentas para integrar agricultores e apicultores. Se o agricultor, através do apicultor, souber da existência de apiários no entorno da área, o agricultor poderá avisar o apicultor quando vai usar defensivos agrícolas. Com isso, o apicultor deverá tomar todas as medidas de segurança para proteger suas colmeias. Essa relação é a chave para preservar abelhas no campo. Para sustentar essa relação entre agricultor e apicultor, o Colmeia Viva investiu em ferramentas de suporte como Colmeia Viva APP, Manual de Boas Práticas, Assistência Técnica Colmeia Viva e outras.

ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA O APICULTOR

O movimento presta atendimento no ambiente digital, através do site, por telefone, no 0800 771 8000 ou, quando necessário, presencialmente. Na necessidade da visita, os especialistas do Movimento se deslocam até propriedades agrícolas ou apícolas para avaliar a relação entre agricultura, apicultura e defensivos agrícolas e realizar orientações de base que minimizam eventuais acidentes. A Colmeia Viba atua em parceria com empresas e entidades do agronegócio, incluindo unidades produtoras de açúcar, etanol e energia, cooperativas agrícolas e apícolas e grandes produtores de soja e grãos em geral.

A Assistência Técnica Colmeia Viva segue atuante mesmo neste momento de pandemia do Covid-19. Os canais telefônicos e digitais se mantêm ativos e os consultores do movimento também. Agricultores e apicultores têm demandado orientações frequentemente, o que sinaliza o bom resultado de das iniciativas do projeto.

COLMEIA VIVA APP

Trata-se de um aplicativo que conecta agricultores em tempo real, mapeia apiários num raio de seis quilômetros e permite que o agricultor cadastre sua propriedade e lançe a área que será pulverizada, permitindo ao apicultor receber um aviso e abrir um canal de comunicação com os apicultores. Pelo Colmeia Viva APP, o agricultor avisa o apicultor quando vai aplicar defensivos agrícolas. O apicultor toma as medidas de segurança demandadas às suas colmeias. O APP é gratuito, assim como todos os demais serviços do Colmeia Viva e está disponível nas lojas virtuais.

RELAÇÃO ENTRE APICULTOR E AGRICULTOR BRASILEIRO

A participação de produtores tem sido relevante, mas o Movimento está trabalhando para ampliar o engajamento do agronegócio na causa do movimento. Empresas importantes como a Tereos Energia Brasil, a Usina Ferrari e a cooperativa CooaPampa, entre outras, têm se juntado a Colmeia Viva na difusão das boas práticas agrícolas e apícolas. O projeto firmou também acordos de cooperação com entidades como a Andav (distribuidores de insumos agrícolas e veterinários), Sindag (Sindicato Nacional das empresas de aviação agrícola) e a Aprosoja. Entre os resultados da ação do Colmeia Viva, é possível destacar a redução nos relatos de mortalidades de abelhas aos canais de atendimento do movimento. Ao final deste ano, quando se encerra o primeiro ciclo de atividades do Colmeia Viva, o Movimento apresentará os resultados consolidados da iniciativa.

Nas empresas do setor de agronegócio, o engajamento é total. Toda equipe de venda dos associados ao Movimento já foi impactada positivamente com o tema. Segundo os representantes, eles estão conseguindo um bom índice de mobilização nos canais de distribuição. A Colmeia Vida deve encerrar 2020 com 70% dos estabelecimentos atingidos por iniciativas de treinamento e orientação. Revendas e cooperativas falam diretamente com o agricultor e são decisivas na difusão das boas práticas às pequenas, médias e grandes propriedades produtivas.

Para a indústria, o Movimento Colmeia Viva trouxe uma grande contribuição para que haja entendimento sobre causas reais para mortalidade de abelhas. O movimento é uma entrega da indústria para incentivar a sustentabilidade das atividades agrícolas e apícolas. A responsabilidade compartilhada entre agricultura e apicultura ante à proteção de cultivos e abelhas, conforme preconiza o Colmeia Viva, configura um legado de inovação no trato da questão das abelhas.

RESULTADOS

Os dados ainda estão sendo consolidados e serão apresentados ao final de 2020, quando se encerra um compromisso com metas e objetivos, assumido publicamente em 2017 pelo Movimento. Vale lembrar que o Plano Nacional de Boas Práticas resultou de uma iniciativa de pesquisa, o Mapeamento de Abelhas Participativo, que levou quatro anos e foi empreendido em 78 cidades, com envolvimento de mais de 200 agricultores e apicultores paulistas.

Os resultados do MAP permitiram estender as ações do Colmeia Viva aos principais estados que formam a fronteira agrícola brasileira: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. São locais onde a atividade apícola é relevante e havia relatos de incidentes com abelhas. O Movimento passou a levar nessas regiões serviços de apoio a agricultores e apicultores, como Colmeia Viva APP, Manual de Boas Práticas, Assistência Técnica no ambiente digital. Além da representativa redução nos casos de mortalidade de abelhas reportados aos canais do movimento, os representantes da Colmeia Viva estão seguros que, após a atuação do movimento, a fronteira agrícola detém mais conhecimento adquirido para preservar abelhas, ante aplicações de defensivos agrícolas, frente ao início da década passada.

IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO COLMEIA VIVA

Toda e qualquer iniciativa que vislumbre a sustentabilidade econômica e ambiental será relevante para agregar ainda mais credibilidade, reputação de liderança e diferenciais competitivos ao agronegócio brasileiro. O Brasil será um player ainda mais respeitado na cadeia agrícola global quanto mais iniciativas houver para conciliar a proteção dos cultivos à preservação do meio ambiente. Os representantes do Movimento ressaltaram que estão abertos para somar, transferir experiência e compartilhar o conhecimento adquirido com outros segmentos do agronegócio brasileiro.

 

Talvez você goste

Leia Mais